MagMellGenericName

Seu nome:

O nome é MagMell. Significa “planície da alegria” na mitologia do norte, e embora o background musical que existiu ao decidir o nome da banda não seja mais o que percebemos em termos estéticos, ele representa com precisão o sentimento que pretendemos transmitir em nossas apresentações.

De onde você é e onde você está baseado agora?

Somos todos portugueses e atualmente moramos em Lisboa. Lisboa tornou-se definitivamente um hotspot nos últimos seis anos e viu a sua cena musical crescer cada vez mais em termos de diferentes géneros e locais para se apresentar. Encontrará muitas actuações ao vivo de Jazz, Chorinho, Samba, Heavy Metal, e Rock à música clássica e contemporânea à sessão de trad local que remonta a quase duas décadas. Com esta vida musical no coração da cidade, é seguro dizer que estamos muito felizes por fazer parte da cena lisboeta.

“A premissa do que fazemos é muito influenciada pelas tradições musicais da Irlanda e da Escócia, mas inevitavelmente damos nosso próprio toque…”

Qual estilo você toca e o que te atraiu nele?

Todos nós viemos de origens musicais diferentes. Pedro da música tradicional, Miguel da música clássica e André de uma variedade de diferentes etno/world music. A premissa do que fazemos é muito influenciada pelas tradições musicais da Irlanda e da Escócia, mas inevitavelmente damos nosso próprio toque misturando todas as nossas diferentes disciplinas e praticamente qualquer outra coisa que gostamos e se adequa à música que estamos criando.

Todos nos encontramos na sessão trad local, e esse foi um ponto crucial no desenvolvimento de nossa musicalidade como banda e no entendimento da música trad em geral. É claro que recebemos muita influência de bandas e artistas como Lúnasa, Dervish, Flook, Kan, John Doyle, Talisk, Lau, Kathryn Tickell e Breabach, e achamos que seria sensato misturar todos esses grandes estilos com o que já podíamos fazer e, como dissemos, parecia certo para a música que tocamos.

Qual é o seu show mais memorável até hoje?

Acho que todos concordamos que seria nosso primeiro show na Índia, no IIT Kanpur, três anos atrás. Tínhamos acabado de chegar à Índia algumas horas antes com um enorme jetlag para descobrir que a organização havia mudado o cronograma de nossa apresentação, o que nos deu apenas algumas horas para descansar um pouco. De qualquer forma, fomos para o local com um tempo muito curto para passagem de som e a sala já estava cheia de gente que veio nos ver. Passamos pela passagem de som mais irreal que já fizemos em nossas vidas e fizemos o show. Não nos lembramos de ter tido um público tão voraz! Eles foram absolutamente ótimos e cheios de energia do começo ao fim. Estávamos exaustos e destruídos, mas com um sentimento geral de realização e felicidade.

Você tem algum outro projeto fora da sua música?

Nós fazemos. Alguns são relacionados à música e outros não. Pedro faz muitos trabalhos relacionados a tatuagem e cenografia e toca como multi-instrumentista na banda de seis integrantes Gloom and The Crows. André toca percussão com diversos artistas de diversos gêneros musicais, além de dar aulas de samba-reggae e percussão portuguesa. Miguel trabalha com outras bandas de música tradicional como Crann Mór e The Hilltop Ramblers, além de trabalhar como professor de guitarra.

Existe uma música ou álbum que você está particularmente orgulhoso ou se destaca para você? Qual e por quê? (E podemos ouvi-lo?)

Lançamos nosso EP em 2018. MagMell passou por diferentes estágios desde sua criação ⁠ - diferentes companheiros de banda, diferentes abordagens musicais, e assim por diante. O fato de termos gravado este set, composto por seis faixas, sendo cinco inéditas, representa um marco bastante significativo na história da banda. Isso mostra nosso compromisso com o que fazemos e também com a estética da banda.

Ouça se quiser, basta digitar “MagMell” no Spotify, Itunes ou Bandcamp e você nos encontrará. Você também pode obter uma cópia física do nosso CD - basta nos enviar uma mensagem no Facebook ou Instagram e entraremos em contato com você. Você também pode ter uma experiência mais animada vindo a um de nossos shows.

Quaisquer shows futuros que as pessoas deveriam conferir?

Tocamos regularmente de Norte a Sul de Portugal, basta adicionar-nos nas redes sociais para ficar a par. Definitivamente, precisamos destacar nossa inscrição no Garden Collective, pois estamos participando de seu primeiro festival, PORT to PORT, a decorrer em Lisboa de 21 a 22 de março, combinando uma variedade de atos diferentes da Irlanda e de Portugal. Para todos vocês que estão bem familiarizados com os eventos do Garden, vocês sabem que isso é obrigatório. Para todos vocês que nunca vieram antes, não perca esta chance de fazê-lo.

Mais alguma coisa que você queira nos contar?

Seria ótimo se todos vocês pudessem nos seguir nas redes sociais @magmell.folk em Facebook e Instagram para manter contato com o que fazemos.
Esperamos vê-lo em breve!

A MagMell vai tocar no PORT to PORT, que se realiza nos dias 21 e 22 de março em Lisboa!
Arranje um Bilhete Fim-de-semana completo por apenas 15€ AQUI

pt_PTPortuguês

Quer saber quando começa a festa?

Todos os artistas serão apresentados em UM ÚNICO STREAM, portanto, sem enrolação. Basta sintonizar, pegar uma bebida e divirta-se!

Além disso, em breve usaremos este e-mail para compartilhar nossos próximos eventos, DIY Zines, exposições digitais, chamadas abertas para colaborações e muito mais partes divertidas e interessantes!

Inscreva-se abaixo para receber um alerta quando entrarmos ao vivo!